ALE/RO
ALE/RO
O que você acha?

Igreja canadense realiza cerimônia de suicídio assistido para membro

IGREJAIgreja canadense realiza cerimônia de suicídio assistido para membro
Churchill Park United se torna primeira igreja em província do Canadá a sediar a prática de suicídio assistido.

Publicado em 15 de abril de 2022

Igreja canadense realiza cerimônia de suicídio assistido para membro

Recentemente, a igreja canadense Churchill Park United Church of Winnipeg foi o local de uma cerimônia de suicídio assistido realizada para um de seus membros diagnosticados com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

A igreja, que se tornou a primeira em Manitoba a sediar a prática, descreveu o acontecimento do mês passado como uma “Cerimônia de Travessia” para Betty Sanguin, de 86 anos.

De acordo com The Christian Post, a equipe de liderança da igreja aprovou por unanimidade o pedido de Sanguin para a cerimônia de suicídio assistido realizada no santuário: ela tinha fortes laços com a congregação.

Segundo o reverendo Dawn Rolke, ministro do Churchill Park, parecia apropriado realizar a cerimônia no santuário, pois as igrejas são muitas vezes “hospedeiras e lar de nossas vidas e de alguns de nossos rituais de vida significativos como batismo, casamento, funeral ou serviços memoriais.

“Para nós, era perfeitamente natural realizar esse serviço para Betty em nosso santuário por a morte ser uma parte natural da vida e Betty viveu boa parte de sua vida adulta nesta comunidade religiosa”, disse Rolke.

Na Igreja, em Winnipeg, o típico santuário foi removido e substituído por cadeiras, mesas, flores e um reclinador, e as pessoas começaram a ir e vir silenciosamente do lado de Betty enquanto o medicamento fazia efeito.

Além disso, posteriormente, funcionários de uma funerária chegaram para transportar o corpo de Sanguin para sua capela e fazer os preparativos para seu enterro.

Em 2016, o Canadá aprovou uma lei que legaliza o suicídio assistido por médicos, com a lei que limita o acesso a cidadãos ou residentes permanentes com pelo menos 18 anos e que tinham “uma doença grave e incurável, doença ou incapacidade” que incluía “sofrimento duradouro e intolerável”.

Gostou da notícia? Siga o DEIXA EU TE FALAR  no FacebookInstagram e no Twitter.

Entre no nosso Grupo do WhatsApp e receba as últimas notícias do Brasil e Rondônia.


HostMídia