ALE/RO
ALE/RO
Autismo

MP obtém decisão que garante educadores para estudantes com espectro autista em todas as escolas

Conforme o julgado, o educador deverá exercer sua função durante o período de aula dos estudantes

Publicado em 15 de abril de 2022

MP obtém decisão que garante educadores para estudantes com espectro autista em todas as escolas

O Ministério Público de Rondônia obteve, no Tribunal de Justiça, decisão que obriga o Estado a garantir um profissional em educação para atender estudantes com Transtorno de Espectro Autista (TEA) em todas as escolas em que houver alunos diagnosticados com a condição. Proferido pela 1.ª Câmara Especial do TJRO, o acórdão confirmou sentença obtida pelo MP em ação civil pública proposta pela Promotoria de Justiça de Cerejeiras, ampliando a medida para as demais instituições estaduais de ensino.

Conforme o julgado, o educador deverá exercer sua função durante o período de aula dos estudantes. O prazo para cumprimento da medida foi estendido de 60 dias para 18 meses, sob pena de multa diária de mil reais até o limite de 50 mil.

A decisão é desdobramento de ação civil pública, proposta pelo Promotor de Justiça Marcos Paulo Sampaio Ribeiro da Silva, em junho de 2018. À época, o MP obteve medida liminar e, posteriormente, sentença para a concessão de uma mediadora pedagógica a uma criança com espectro autista, que estava desassistida do serviço na Escola Estadual Floriano Peixoto.

Em seu voto, o relator, Desembargador Glodner Pauletto, ressaltou que “ao aluno com deficiência deve ser garantido o acesso e a permanência na escola regular, comum e em igualdade de condições com os demais alunos”, para alcançar o plano social, comunitário, de interesses de todos.

Com relação ao concurso público alegado pela defesa do Estado e a questão orçamentária, conforme o voto, “há circunstâncias que compelem a Administração Pública a adotar medidas de caráter emergencial para atender a necessidades urgentes e temporárias e tornam atos de movimentação de servidores plausíveis”, como no caso. Além disso, “o momentâneo desvio de função não é vedado em absoluto pelo ordenamento, encontrando previsão análoga em algumas legislações, como no Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União”.

Gostou da notícia? Siga o DEIXA EU TE FALAR  no FacebookInstagram e no Twitter.

Entre no nosso Grupo do WhatsApp e receba as últimas notícias do Brasil e Rondônia.


HostMídia