Revogação

Nunes Marques revoga mandado de prisão contra Rogério Andrade

Bicheiro foi alvo da Operação Calígula, do MPRJ, contra a exploração de jogos de azar, e era procurado desde maio.

Publicado em 2 de agosto de 2022

Nunes Marques revoga mandado de prisão contra Rogério Andrade

O ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou nesta segunda-feira (1º) o mandado de prisão preventiva contra o bicheiro Rogério de Andrade, alvo da Operação Calígula, de maio deste ano — em que foram presos os delegados Marcos Cipriano e Adriana Belém. Rogério era procurado desde então.

Nunes Marques deferiu uma medida cautelar pedida pela defesa do bicheiro em uma reclamação ao STF, anulando a ordem de prendê-lo expedida pela 1ª Vara Criminal Especializada do Tribunal de Justiça do Rio.

Os advogados de Rogério alegaram que o pedido de prisão, pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), foi baseado na apreensão de um celular em 2019 — a defesa sustentou não haver fato novo que o justificasse.

‘Operação Calígula’

 

A “Operação Calígula”, deflagrada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) no dia 10 de maio, teve mais de 30 denunciados, 14 presos e Gustavo e Rogério como foragidos. O nome de Rogério chegou a constar da lista dos mais procurados da Interpol.

Segundo a denúncia do MPRJ que embasou a “Operação Calígula”, Rogério Andrade expandia seus negócios de exploração de jogos de azar em vasta área geográfica, mediante a imposição de domínio territorial com violência, além da prática reiterada e sistêmica dos crimes de corrupção ativa, homicídio, lavagem de dinheiro, extorsão, ameaça, dentre outros.

Rogério seria o chefe da organização criminosa que contava ainda com o PM reformado Ronnie Lessa, e a delegada Adriana Belém, que facilitava as ações do grupo.

Gostou da notícia? Siga o DEIXA EU TE FALAR  no FacebookInstagram e no Twitter.

Entre no nosso Grupo do WhatsApp e receba as últimas notícias do Brasil e Rondônia.


HostMídia