ALE/RO
ALE/RO
Espionagem

Por que Pegasus já era o spyware mais famoso

Nos últimos quatro anos, o nome Pegasus foi oficialmente atribuído a vários casos, quando não era apenas suspeito, como no caso de hack do smartphone de Jeff Bezos.

Publicado em 20 de julho de 2021

Por que Pegasus já era o spyware mais famoso

Antes do Projeto Pegasus, o spyware Pegasus estava no centro de vários negócios. A ponto de se tornar o símbolo de uma nova forma de espionagem cibernética dirigida.

Com o “Projeto Pegasus”, esta é a primeira vez que o spyware Pegasus recebe um nível de atenção tão alto na França.
Com um bom motivo: o consórcio de 16 mídias liderado por Forbidden Stories em colaboração com a Anistia Internacional adquiriu uma lista de 50.000 números de telefone visados ​​pelo malware e oferece uma perspectiva sem precedentes sobre a extensão de seu uso.

Mas a própria existência de spyware é conhecida desde 2016. O Citizen Lab, uma unidade de pesquisa da Universidade de Toronto publicou um relatório intitulado “O dissidente que valia um milhão de dólares”, resultado de sua dissecação de um smartphone recentemente infectado com Pegasus. O dispositivo pertenceu a Ahmed Mansoor, defensor dos direitos humanos dos Emirados, que será preso um ano depois sob a acusação de perturbação da ordem pública e publicação de informações falsas em redes sociais.

Não foi a primeira vez que o ativista recebeu uma tentativa de hack, e ele rapidamente recorreu aos pesquisadores. Além de sua dimensão política, o caso foi conhecido por sua importância técnica, já que os hackers usaram vulnerabilidades até então desconhecidas para implantar o Pegasus no iPhone 6 de Ahmed Mansoor.

Com essa primeira história, especialistas descobriram o Grupo NSO, a empresa israelense que publica a Pegasus. Desde então, seu nome e o do spyware aparecem em histórias de vigilância de jornalistas, ativistas ou personalidades em intervalos regulares. Pegasus rapidamente se tornou o líder e a face emergente de um ecossistema de spyware de ponta, vendido a preços elevados, o exemplo mais recente é o “DevilsTongue”, da editora israelense Candiru.

O assassinato do jornalista Jamal Khashoggi ligado ao nome de Pegasus
Nos últimos quatro anos, o nome Pegasus foi oficialmente atribuído a vários casos, quando não era apenas suspeito, como no caso de hack do smartphone de Jeff Bezos.

Mas o nome de Pegasus realmente ficou famoso depois de 2 de outubro de 2018, dia do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi em Istambul por agentes sauditas. Este oponente do poder escreveu no Washington Post, uma mídia cujo dono não é outro senão Jeff Bezos.

Rapidamente, constatou-se que seu smartphone havia sido infectado pelo pégaso, implantado pelas autoridades sauditas contra ele e outros oponentes, e que as informações coletadas poderiam ter participado da sentença de morte. O Grupo NSO sempre se defendeu de qualquer envolvimento no assunto a ponto de quebrar seu contrato com as autoridades sauditas, e ainda hoje se defende em sua reação ao Projeto Pegasus: Como o NSO afirmou anteriormente, nossa tecnologia não era de forma alguma associado ao assassinato hediondo de Jamal Khashoggi.

Ainda assim, os novos documentos fornecem evidências do uso de Pegasus contra vários membros da família de Khashoggi após seu assassinato. Por exemplo, 4 dias após sua morte, Pegasus foi instalado no smartphone de sua noiva, enquanto seu filho e ex-mulher também foram alvos.

Em suas declarações, o Grupo NSO afirma que seu software é usado apenas para monitorar terroristas e criminosos de alto nível. É por isso que o governo israelense ainda permite que hoje venda seus serviços a outros governos, apesar dos escândalos recorrentes. Resta saber se o alcance internacional do Projeto Pegasus tem algum efeito sobre a prosperidade de seus negócios.

Fonte: Numerama por cyberguerre.numerama.com .

Gostou da notícia? Siga o DEIXA EU TE FALAR  no FacebookInstagram e no Twitter.

Entre no nosso Grupo do WhatsApp e receba as últimas notícias do Brasil e Rondônia.


HostMídia