Geral

Semusa leva trabalhos exitosos ao 58º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Ao todo, três projetos desenvolvidos por profissionais de Vigilância em Saúde foram apresentados

 

Três projetos desenvolvidos pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), por meio da Divisão de Vigilância Epidemiológica, foram apresentados no 58º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (Medtrop), em Salvador. O evento, que é um dos congressos de maior prestígio da área de medicina tropical e saúde pública, teve como tema central “Desafios para Medicina Tropical no Século XXI: Como enfrentá-los?” e reuniu cerca de 3 mil participantes entre pesquisadores, técnicos e profissionais da área de saúde de todos os estados do Brasil.

Representando a Semusa, as profissionais de Vigilância em Saúde Ethianne Channan, Ivonete de Oliveira, Lívia Julienne e Márcia Mororó apresentaram três projetos que abrangem o trabalho realizado pela Semusa. Com o tema “Avaliação do sistema de vigilância do óbito materno em Rondônia no período de 2016 a 2022”, um dos trabalhos apresentados durante o evento mostrou a eficácia do sistema de monitoramento da mortalidade materna em Porto Velho, em busca de alertar para medidas que identifiquem e reduzam as causas evitáveis de morte materna.

Já o “Impacto da Vacinação contra Covid-19 na Mortalidade Materna em Rondônia”, trouxe à tona dados alarmantes sobre a campanha de vacinação contra a covid-19 e a redução da mortalidade materna na região. A pesquisa teve como principal objetivo demonstrar como a imunização contra o coronavírus pode ser uma ferramenta de proteção das gestantes e a redução dos óbitos.

A pesquisa “Qualificação de Dados sobre Sífilis Congênita no Município de Porto Velho” também foi exibida durante o Congresso. O trabalho foi realizado, especialmente, por profissionais da Semusa e revelou a importância de aprimorar a coleta e análise de dados relacionados à sífilis congênita, visando a implementação de estratégias mais eficazes de prevenção e eliminação da doença.

Representaram Porto Velho: Ethianne Channan, Ivonete de Oliveira, Lívia Julienne e Márcia Mororó
Representaram Porto Velho: Ethianne Channan, Ivonete de Oliveira, Lívia Julienne e Márcia Mororó
Ethianne Channan é médica e coordenadora municipal da sífilis, a profissional foi uma das autoras do projeto. Para ela, “é muito gratificante ter um trabalho da região Norte sendo exposto em um congresso de grande magnitude na América Latina. Isso evidencia a importância da qualificação dos dados que produzimos na Vigilância em Saúde e na troca de experiências com outras instituições. É gratificante”, declarou.

RECONHECIMENTO

A participação no Medtrop 2023 é fruto dos resultados positivos de trabalhos realizados por profissionais da Vigilância em Saúde da rede municipal e estadual de Porto Velho. As produções incluem relatos de experiência, trabalhos e atividades executadas nas rotinas que contribuem para a vigilância em saúde ativa.

Os trabalhos foram desenvolvidos pelos técnicos Ethianne Bastos, Ivonete de Oliveira, Márcia Maria Mororó, Maria Arlete Baldez, Geisa Brasil, Daniele Silva, Adriana Farias, Davi Diniz, Lívia Julienne Lima, Liziane Sandra Mendonça e Marco Antônio de Castro.

Segundo a gerente da Divisão de Vigilância Epidemiológica, Ivonete de Oliveira, “é uma sensação maravilhosa mostrar que nosso trabalho foi bem desempenhado. Fico feliz em ver os nossos profissionais elaborando projetos que visam aprimorar os serviços de saúde. A Semusa tem o compromisso de evoluir e qualificar seus servidores cada vez mais, e participar de um congresso como este é uma excelente oportunidade para isso”, finalizou.

Texto: Jainni Victória (sob supervisão de Taís Botelho)
Foto: Semusa


* A Revista Eletrônica DEIXAEUTEFALAR reserva-se o direito de manter integralmente a opinião dos articulistas sem intervenções. No entanto, o conteúdo apresentado na seção "COLUNISTAS" é de inteira responsabilidade de seus autores.

Deixe um comentário