EUA

Tiroteio em festa em Nova Jersey, nos EUA, deixa mortos e feridos

Um tiroteio em uma festa de família organizada dentro de uma casa em Fairfield, no sul de Nova Jersey, deixou duas pessoas mortas e outras 12 feridas no fim da noite de sábado (22). É mais um caso que reacende o debate sobre a abertura ao porte e à posse de armas nos Estados Unidos (leia mais no…

 

Um tiroteio em uma festa de família organizada dentro de uma casa em Fairfield, no sul de Nova Jersey, deixou duas pessoas mortas e outras 12 feridas no fim da noite de sábado (22). É mais um caso que reacende o debate sobre a abertura ao porte e à posse de armas nos Estados Unidos (leia mais no fim da reportagem).

De acordo com autoridades locais, os moradores organizavam uma festa com tema anos 1990 — com grande parte da população vacinada contra a Covid-19, encontros têm sido permitidos nos EUA. Havia convidados de todas as idades no evento.

Segundo relatos feitos à Associated Press, o criminoso chegou ao local e abruptamente abriu fogo contra os participantes da festa. Ao menos 15 tiros foram ouvidos. Ninguém foi preso até a noite de domingo (23), e não há sequer um nome suspeito. As investigações continuam.

A polícia disse que as vítimas do criminoso são um homem de 30 anos e uma mulher de 25. As 12 pessoas que ficaram feridas foram levadas a hospitais da região.

Houve tumulto após o tiroteio, com alguns dos vizinhos abrindo suas portas para convidados que fugiam dos tiros. Outros participantes da festa tentavam escapar em seus carros e acabaram causando acidentes.

O prefeito da cidade, Benjamin Byrd Sr., disse que ainda não tem detalhes sobre o assassinato.

“Ninguém sabe quando alguém vai sair do meio das árvores com uma arma”, disse.

‘Epidemia de violência’

Antes de apresentar uma série de ordens executivas, o presidente democrata também classificou a violência armada nos EUA como uma “crise de saúde pública” que onera os cofres públicos em cerca de US$ 280 bilhões anualmente.

Veja algumas das medidas anunciadas:

  • aumento de restrições às chamadas “armas fantasmas” e acessórios para armas comuns.
  • incentivo aos estados para removerem temporariamente o porte de armas para pessoas que representem riscos a si mesmos ou a outros.
  • acompanhamento maior sobre o tráfico de armas de fogo.
  • investimento em programas de intervenção dentro de comunidades com altos índices de violência.

 

G1

* A Revista Eletrônica DEIXAEUTEFALAR reserva-se o direito de manter integralmente a opinião dos articulistas sem intervenções. No entanto, o conteúdo apresentado na seção "COLUNISTAS" é de inteira responsabilidade de seus autores.

Deixe um comentário